quarta-feira, 15 de julho de 2009

A sexta inspiradela - 8 descansado


Teimam em perdurar na minha cabeça, memórias do sítio onde passei qualquer coisa como sete anos a vaguear guiada por uma bússola desmagnetizada da realidade.
Passava, aparentemente atenta, por quem representava no palco de xisto, mas cada sombra branca era apenas mais um sonho, um suspiro, ânsia de crescer, vontade de me amar e absorver a inteligência do mundo. Colmatar o vazio.

Ensinaram-me que há limites que tendem para mais ou menos infinito ou mesmo infinitos sem limite. Suponho que cometi a proeza de calcular o limite...

Cansada...

Esgotada...

Às vezes é mesmo difícil...

1 comentário:

Lucius disse...

Aqueles actores no palco são terríveis. Esquecem-se que estão num palco. Gostei do pormenor de chão de xisto (tive que ir ao dicionário porque não conhecia a palavra).

Diz-me... Qual é o limite?