quarta-feira, 3 de junho de 2009

De: Maria -->> Para: Vicente

A pedido de uma amiga:

Eu não sou um verso!
Rimo em prosa disfarçada
Mas se a leres ao inverso
Indago-me em ti enamorada.


Maria

2 comentários:

Vicente Roskopt disse...

Se tu e eu fossemos dois versos,
formaríamos uma rima emparelhada.

Teríamos em comum um endereço,
partilharíamos os dois uma morada.

Ouço lá fora soprar os ventos,
tão intensos e adversos!

Até que tu adormeces,
abraçada a mim, tão sossegada.

Observo-te no teu sono,
até que a noite se dê por finda.

Acaricio-te os teu cabelos
molhados pela chuva miudinha...

Até que surja o sol,
até surgir a madrugada.

Apenas numa rima,
numa rima emparelhada...

Vicente Roskopt disse...

Eu sou um homem dos poemas.
Tu és mais mulher da prosa.
Não se hão-de criar problemas
a ser verdade que és gulosa.

Ora, diz-me lá porque teimas?
Deverias sentir-te orgulhosa!
Será que não levam mel esses poemas,
que tu insistes em chamar prosa?

És mentirosa e és poeta!
És mentirosa!